26
Jan 13

 

 

Livro III

 

E chegamos finalmente ao fim da trilogia mais vendida do mundo. Já vos falei do primeiro As Cinquenta Sombras de Grey, a nova experiência capaz de reproduzir nos leitores sensações novas e dar até a conhecer novas matérias no que ao erotismo diz respeito; do segundo As Cinquenta Sombras Mais Negras onde a repetição é algo maçadora e não traz aquela sensação fresca e nova do primeiro e agora falo-vos deste terceiro título.


Tal como o segundo da trilogia é uma sequela directa do primeiro, este é uma sequela directa do segundo. Começa imediatamente após sentirmos a presença de uma pessoa vingativa que faz de tudo para destruir a vida do nosso casal protagonista: Anastacia Steele e Christian Grey.


Mas após voltas e reviravoltas sem muito nexo nem estimulo ao intelecto do leitor, este nosso casal volta à harmonia e ao erotismo claro e sexual; mas continuo a defender a minha “tese” de que estes livros pouco têm a ver com erotismo, mas sim com pornografia literária da mais explicita e clara que
dificilmente se vê representada em filmes para maiores de 18 anos ou mais.


Pouco me compete a mim falar da estória deste livro porque a escritora deu-se ao luxo de me dar o mesmo tratamento, mas posso dizer que neste ramo terão pela vossa frente uma estrutura muito superficial, simplista, pouco lúcida e... piquinhas também!

 

"O que é que queres dizer com piquinas?!" Perguntam os 3 leitores que lêm isto...
É simples... O livro é-nos contado na primeira pessoa, na pele da Anastacia, e podem ter a certeza que sempre que esta senhora com m muito pequeno (m de “menina”) se lembrar, ver, ou simplesmente falar com o senhor Grey vocês vão querer vomitar arco-íris pelo nariz de tanta obsessão (onde muitas pessoas chamam de paixão) que esta senhora sente por ele. Eu poderia citar poucos exemplos que nos são apresentados, mas se lerem o livro viverão esses poucos exemplos, mas vezes sem conta de tantas vezes que fazem questão de repetir pelas mais de 600 páginas que lerem.


Mas sim, tenho que dizer que para quem leu os dois primeiros livros (mas os dois e completos... Se lerem só o primeiro já não) este livro tem de ser obrigatório na vossa colecção. Nada de novo traz, vocês vão querer passar páginas porque sabem perfeitamente no que vai dar,
mas as experiências continuam lá e podem sempre dar algumas ideias a quem queira experimentar. Vale também pelos capítulos finais que nos contam alguns episódios em anexo que podem ser interessantes e colaboram com a estória.


Com isto encerro a experiência Cinquenta Sombras, mas no futuro (longínquo ou não) farei um artigo que fará um apanhado da biografia da escritora, e focar-me um pouco mais na trilogia no geral, passado, presente e o que o futuro poderá reservar a série; um pouco como fiz com a saga (in)acabada de Millennium.


Prós:

  1. O fim de uma estória

Contras:

  1. Repetido, Óbvio e superficial
  2. À população em geral do sexo masculino terá pela frente um livro até embaraçoso (lê-lo nos transportes pode não ser confortável)

 

 

Sinopse )

 


05
Nov 12

 

LIVRO II

 

Não foi há muito que foi lançada a primeira edição portuguesa do livro As Cinquenta Sombras Mais Negras (Fifty Shades Darker, título original) e já foram lançadas várias edições. 

Este segundo livro da trilogia As Cinquenta Sombras vê o seu inicio no imediato momento em que o primeiro terminou. Anastacia, a nossa carinhosa protagonista, não teve a melhor experiência com o Christian (o sedutor e multimilionário) e decidiu separar-se do seu relacionamento contratual com este. Apesar de se ter separado, tanto um como o outro têm dificuldades em viver sem a companhia um do outro.

 

Foi quando menos esperava, Ana recebeu uma mensagem de Grey para combinarem irem à exposição organizada pelo Jose Rodriguez, acontecimento que estava combinado antes da separação do casal. Ana achou o convite estranho, até porque a relação de Grey com o Jose não é a mais saudável, mas o coração de Ana não a deixou dizer que não e assim foi, a caminho de uma possível reconciliação.

 

E é assim, muito resumidamente, nos contam os primeiros capítulos deste livro. Como disse, os acontecimentos são imediatos ao termino do primeiro, quase como se os dois livros fossem escritos seguidos, mas cortados a meio; o que pode ser bom para quem goste de ler livros do mesmo escritor seguidos, coisa que eu não gosto muito pois corro o risco que, até certo ponto, "enjoar".

 

Podem contar com mais do mesmo que leram no primeiro, onde pouco muda no enredo e argumento. Damos boas vindas ao conhecermos antigas submissas do Grey, ao "ambicioso" chefe da Ana e muito pouco mais. Contem com todas e mais algumas lamechices que já não são novidade para quem leu o primeiro título. Quero dizer que não houve grandes esforços para dar ao leitor algum tipo de novidade mas, pensando bem, seria mesmo necessário esse esforço?

 

Prós:

  1. Voltar ao mundo das Cinquenta Sombras
  2. Algum passado do Grey revelado
  3. Já só falta um livro

Contras:

  1. Mais do mesmo
  2. Ana parece mais mimada e por vezes uma sonsinha  
Sinopse )

 


14
Out 12

 

LIVRO I

 

Não podia deixar passar um comentário em branco do livro mais falado do momento, ou seja, o primeiro livro da que diz ser a trilogia mais vendida em todo o mundo: As Cinquenta Sombras de Grey. Dando a conhecer um pouco melhor a sua autora, Erika Leonard James nasceu em meados de 1963 e desde sempre teve o sonho de escrever um livro que agradasse o leitor e que lhe proporcionasse certas sensações. Optou pelo temo do sexo e, até ver, resultou.

Fifty Shades of Grey foi lançado no Reino Unido em Maio de 2011 (versão imprimida, porque meses antes tinha saído a versão digital e-book) e nunca um livro em tão pouco tempo teve uma ascensão tão grande quanto este. Em Portugal saiu em Julho de 2012 e já foi traduzido para  45 línguas diferentes, sendo português uma delas. (1)

Em Agosto, a Amazon (uma das maiores lojas Online, espalhadas em cada canto do mundo) anunciou que vendeu mais cópias de apenas As Cinquenta Sombras de Grey do que a saga toda junta de Harry Potter, o que faz de E L James a escritora que mais vendeu no mundo, ultrapassando J. K. Rowling. (2)

 

Como já referi, estamos perante o primeiro livro desta trilogia que depressa se tornou quase um bom vírus para quem tem a leitura como um dos passatempos preferidos ou não.

Muito resumidamente (ou não assim tão resumidamente quanto isso), a senhora James trouxe-nos duas personagens principais, a Anastacia Steele, uma jovem estudante a terminar o curso de literatura, bonita e humilde; e o Christian Grey, o também jovem (apesar de mais velho que Anastacia) mas dono de uma multimilionária empresa.

A amiga de Anastacia, a Katherine Agnes mais conhecida por Kate, aspirante a jornalista tinha uma entrevista marcada com o Grey, mas por motivos de saúde não conseguiu. Pediu então a melhor amiga para o fazer que aceitou e foi assim que se conheceram. A partir deste ponto é uma viagem incrível pelos desejos mais escondidos de cada um, vividos pelo homem mais experiente na matéria com uma das mulheres mais inexperientes possíveis. 

Vai ser sempre conhecido por ser um livro recheado de sexo, dominação e submização, disciplina e obdiência, sadomismo e masoquismo, descrições puras e nuas... Um livro sem qualquer pudor, e ainda bem.

 

Em várias críticas que podemos encontrar pela Internet em relação a este livro, em quase todos é intitulado como um romance erótico. Não concordo. No mínimo é um romance pornográfico.

Outra coisa que vemos muito é: "Conquistou o coração das mulheres", "As mulheres voltaram a ler por causa deste livro", "As mulheres...", "As mulheres..." Então e os homens?! Eu sou homem e gostei muito do livro. É como ver pornografia, mas com palavras e alguma estória, sem tirar nem por. Mas acreditem que estamos perante uma espécie de experiência que em mais nenhum livro podemos assistir.

Já adquiri o segundo livro da trilogia: As Cinquenta Sombras Mais Negras.

 

Prós:

  1. Novidade
  2. Ao ler o livro, o leitor poderá muitas vezes sentir reacções físicas e externas
  3. Leitura suave, regular e fluida
  4. Mesmo com toda a "acção", a estória está presente...
Contras:
  1. ...Apesar de um pouco fraquinha
  2. Certos acontecimentos são um pouco impressionantes e improváveis de se viver na realidade

(1) - Fonte

(2) - Fonte 

Sinopse )

 


Banner
Mais Sobre Mim

Ver

Seguir

2 seguidores

Pesquisar