09
Dez 12

 

"Mantenham-se loucos,mas comportem-se como pessoas normais"

 

Este é um livro que me foi recomendado por muitas pessoas. Parece até que é um livro obrigatório para quem goste de ler, ou queira conhecer uma das grandes obras do escritor de língua portuguesa que mais livros vende. A edição que vocês vêm na imagem que eu pus neste post, como é costume, é um scan da edição que eu li, edição essa oferecida pela minha amiga V., que volta e meia passa por cá.

 

Lançado em 1998, este livro vem contar-nos a estória de uma jovem eslovena chamada Veronika que, aos 24 anos vividos da sua vida, decide morrer e para isso toma uma dose de medicamentos que, supostamente, deveriam por término à sua vida. Esta teve essa atitude pois pensava que já teria vivido todas as boas experiências de uma vida e que ao vivê-las pouco ou nada sentia.

Tomada a dose mortal de comprimidos e de ter entrado em coma, esta acorda numa clínica psiquiátrica. A tentativa de suicídio não teve sucesso imediato mas, ao ser atendida pelo Dr. Blake, foi informada de que não lhe restaria mais de uma semana de vida, derivado da lesão que os comprimidos surtiram no coração.

 

Sem esperança, Veronika na clínica conhece o Eduard. Eduard é um esquizofrénico que teve um surto psicótico ao culpar-se da morte da sua noiva, anos antes num acidente de automóvel. Estes dois vivem juntos experiências novas e interessantes, mas tanto Veronilka como Eduard têm plena consciência de que Veronika tem apenas uma semana de vida.

 

Paulo Coelho baseou-se numa experiência vivida por si quando com 17 anos de idade também foi internado numa clínica psiquiátrica. No entanto este confessa que o livro não se trata de uma biografia e que o livro tem como objectivo que o leitor pense não só no rumo para o futuro de cada um, como o modo que se vive o momento.

Um livro com uma mensagem forte e com um final enriquecedor, este é um livro que pode muito bem ser obrigatório para todos e que nos deixa uma pergunta é muito simples de se fazer, mas muito complexa na resposta: Caro leitor, como viverias a tua vida se soubesses que ela acabaria de um momento para o outro dentro de 8 dias?

 

Nesta edição podemos contar com um anexo didáctico que ajudará não só alunos e professores como ao leitor comum aprofundar-se no tema e questões do livro. Orientação de leitura, perguntas, sugestões de temas e composições e não esquecendo também da referência a Veronika Decides to Die que em 2009 foi adaptado para o cinema com Sarah Michelle Gellar no papel principal e realizado por Emily Young. Agora os Prós e Contras:

 

Prós:

  1. Agradável e de leitura fluida
  2. Personagens carismáticas e profundas
  3. Apêndice didáctico incluído nesta edição

Contras:

  1. As questões espirituais e morais podem ser, por vezes, demasiado comuns e comerciais até

 

Sinopse )

 


18
Nov 12

 

 

"A história económica tem o seu quê de monotonia (...). Tende a repetir-se com previsibilidade enfadonha. Como dizia Aldous Huxley, 'o charme da história e a sua lição enigmática consiste no facto de que, de era em era, nada muda e apesar disso tudo é completamente diferente'."

 

Para não fugir a regra, chegado outro Outubro, o mercado pode ter o prazer de presenciar o lançamento do décimo romance de José Rodrigues dos Santos (JRS): A Mão do Diabo. Foi lançado em Outubro deste ano e, em menos de uma semana, já contava com a segunda edição e mais de 60.000 cópias vendidas. Não deixa de ser curioso, pois o livro não é assim tão barato quanto isso, tendo como preço de editor é de 22€. Mesmo tendo em conta que o tema predominante do livro é a Crise.

 

Pormenores a parte, tendo em conta a conjuntura do país, dizer que um livro custa 22€ é caro mas, na minha opinião, é um livro que vale cada cêntimo do seu preço.

E quem volta a protagonizar uma obra de JRS? O nosso historiador preferido: Tomás de Noronha. Mas desta vez as coisas não podiam estar mais negras.

O livro começa com este em Grécia onde desfolha uns livros de Zoroastro, o primeiro impulsionador de uma religião monoteísta. Mas este em pouco tempo vê-se no meio de uma manifestação na Grécia contra as grandes medidas de austeridade.

 

Volta a Portugal, este é chamado a ter uma reunião com o director da faculdade, onde este lhe deu a inesperada notícia de que este terá que ser despedido. Contas a vida, contactos sem sucesso e sem mais nenhuma solução, este terá que se dirigir e inscrever no Centro de Emprego para receber o merecido Subsídio. É à saída do centro que este encontra um velho amigo, mas este apresentava um aspecto acabado e sujo. Este dizia que se encontrava fugido, pois sabia muito sobre a crise e a sua origem.

 

Tomás ofereceu abrigo, banho e comida em sua casa, mas o que este não sabia é que ao dar abrigo ao amigo, também este entrava na mira de Magus, líder de uma organização Satânica que em nada precisa de que se descubra a origem da crise e os intervenientes causadores da mesma. Para isso, fará de tudo para recuperar o DVD que se encontra na posse de Filipe, o amigo de Tomás ou pelo menos neutralizar os possuidores do mesmo.

 

Já se sabe que o tema do livro é a crise, sua origem e possível futuro desta nossa situação económica no Mundo, Europa e principalmente em Portugal, e posso dizer que não me assustava tanto nem um livro que me fez reflectir desde d'O Sétimo Selo, também do mesmo escritor.

Cheio de curiosidades, factos históricos e outros factos, como o próprio escritor afirma "disfarçado pela 'ficção'" que para além nos fazer abrir os olhos ainda mais de admiração, faz-nos pensar duas vezes sempre que ouvirmos declarações de políticos na televisão, entre outros.

 

Prós:

  1. A mesma magia e fluidez que já estamos habituados
  2. Tomás de Noronha é uma personagem que não cansa
  3. O tema predominante do livro não podia vir "mesmo a calhar"

Contras:

  1.  Algumas descrições históricas são algo maçudas
  2. Há parágrafos de discurso directo de mais de uma página inteira

 

Sinopse )

 


11
Nov 12

Já tinha saudades de fazer um pequeno texto sobre videojogos, e desta vez falarei sobre jogos e personagens que no passado eram heróis dos videojogos e que hoje em dia ou foram esquecidos, ou quando fazem videojogos sobre estes, são jogos que passam ao lado da maioria dos jogadores.

Falarei de jogos e também personagens que colaram os jogadores ao ecrã várias horas seguidas, mas que não resistiram à evolução tecnológica, à mudança, ou simplesmente ficou definido que o tempo destes apenas se deveriam manter no passado e memória de quem por lá passou.

Mais uma vez, não farei por ordem de importância, mas sim apenas para lembrar de como o passado também foi rico em personagens icónicas e carismáticas.

Cliquem no link abaixo para verem a lista seleccionada por mim e não se esqueçam: se por acaso acharem que me esqueci de alguém, façam o favor de o mencionar.

 

 

 

Publicado Por ChadGrey às 23:42

05
Nov 12

 

LIVRO II

 

Não foi há muito que foi lançada a primeira edição portuguesa do livro As Cinquenta Sombras Mais Negras (Fifty Shades Darker, título original) e já foram lançadas várias edições. 

Este segundo livro da trilogia As Cinquenta Sombras vê o seu inicio no imediato momento em que o primeiro terminou. Anastacia, a nossa carinhosa protagonista, não teve a melhor experiência com o Christian (o sedutor e multimilionário) e decidiu separar-se do seu relacionamento contratual com este. Apesar de se ter separado, tanto um como o outro têm dificuldades em viver sem a companhia um do outro.

 

Foi quando menos esperava, Ana recebeu uma mensagem de Grey para combinarem irem à exposição organizada pelo Jose Rodriguez, acontecimento que estava combinado antes da separação do casal. Ana achou o convite estranho, até porque a relação de Grey com o Jose não é a mais saudável, mas o coração de Ana não a deixou dizer que não e assim foi, a caminho de uma possível reconciliação.

 

E é assim, muito resumidamente, nos contam os primeiros capítulos deste livro. Como disse, os acontecimentos são imediatos ao termino do primeiro, quase como se os dois livros fossem escritos seguidos, mas cortados a meio; o que pode ser bom para quem goste de ler livros do mesmo escritor seguidos, coisa que eu não gosto muito pois corro o risco que, até certo ponto, "enjoar".

 

Podem contar com mais do mesmo que leram no primeiro, onde pouco muda no enredo e argumento. Damos boas vindas ao conhecermos antigas submissas do Grey, ao "ambicioso" chefe da Ana e muito pouco mais. Contem com todas e mais algumas lamechices que já não são novidade para quem leu o primeiro título. Quero dizer que não houve grandes esforços para dar ao leitor algum tipo de novidade mas, pensando bem, seria mesmo necessário esse esforço?

 

Prós:

  1. Voltar ao mundo das Cinquenta Sombras
  2. Algum passado do Grey revelado
  3. Já só falta um livro

Contras:

  1. Mais do mesmo
  2. Ana parece mais mimada e por vezes uma sonsinha  
Sinopse )

 


26
Out 12

 

"A mãe da minha mãe é portuguesa. A palavra portuguesa para avozinha é vóvó" - Alyshia

 

Robert Wilson, um escritor britânico actualmente a viver em Portugal, descendente de piloto bombardeiro e desde sempre que teve uma educação baseada no rigor, disciplina e bom comportamento. Talvez derivado da carreira profissional do seu pai, o seu passatempo preferido em criança era brincar às guerras. Licenciado em Língua Inglesa na Universidade de Oxford, bastante viajado, assim nasceu um excelente escritor de policiais apaixonado pelo nosso pequeno país.

 

Escritor de outras obras bastante conhecidas pelo nosso canto da Europa, tais como Último Acto Em Lisboa ou O Cego de Sevilha, entre outros, escolhi este livro (Pena Capital) como primeiro livro do escritor para ler. E li.

 

Capital Punishment foi publicado este ano pela primeira vez no Reino Unido e as Publicações Dom Quixote não perderam tempo em tratar da tradução para a nossa língua.

Ao ler, podemos contar com uma estória bastante curiosa, recheada de eventos paralelos o dinâmica...

Muito resumidamente e não fugindo muito para além da sinopse, deparamo-nos de imediato com aquela que nos vai perseguir pelas 474 páginas deste livro, a Alyshia D'Cruz que é filha de pais separados e que teve uma relação muito curiosa tanto com a mãe (Amy), como com o pai (Francisco, mais conhecido como Frank).

Esta jovem Alyshia ao sair de uma festa, apanhou um táxi, táxi esse que estava comprado e preparado para a raptar. O objectivo do rapto não é como muitos esperam, negociar resgate em troca de uma soma avantajada de dinheiro ou simplesmente a fazer de refém... Será muito para além disso. Esta será fechada numa sala onde conversará com uma voz que lhe fará perguntas e esta só tem que responder para seu conforto. Apenas isso... Com que objectivo é que terão que ler para o descobrir.

 

Como referi, este livro é muito dinâmico, pois desenrolam-se vários eventos em simultânea o que é uma vantagem, mas em contra partida podem ocorrer certas quebras na acção que não são tão desejáveis quanto isso.

Não deixa de ser um policial com um selo recomendado, tanto pela sua complexidade, como a quantidade de personagens desmembradas e carismáticas que o autor da obra se esforçou para que o leitor facilmente as identifique.

 

Prós:

  1. Complexo, mas facilmente adaptável
  2. Nova vertente em relação ao tema "rapto"
  3. dinâmico e rápido
Contras:
  1. Algumas quebras na acção
  2. Pode haver momentos onde o leitor perde o interesse de acompanhar a aventura 
Sinopse )

 

Publicado Por ChadGrey às 19:13

14
Out 12

 

LIVRO I

 

Não podia deixar passar um comentário em branco do livro mais falado do momento, ou seja, o primeiro livro da que diz ser a trilogia mais vendida em todo o mundo: As Cinquenta Sombras de Grey. Dando a conhecer um pouco melhor a sua autora, Erika Leonard James nasceu em meados de 1963 e desde sempre teve o sonho de escrever um livro que agradasse o leitor e que lhe proporcionasse certas sensações. Optou pelo temo do sexo e, até ver, resultou.

Fifty Shades of Grey foi lançado no Reino Unido em Maio de 2011 (versão imprimida, porque meses antes tinha saído a versão digital e-book) e nunca um livro em tão pouco tempo teve uma ascensão tão grande quanto este. Em Portugal saiu em Julho de 2012 e já foi traduzido para  45 línguas diferentes, sendo português uma delas. (1)

Em Agosto, a Amazon (uma das maiores lojas Online, espalhadas em cada canto do mundo) anunciou que vendeu mais cópias de apenas As Cinquenta Sombras de Grey do que a saga toda junta de Harry Potter, o que faz de E L James a escritora que mais vendeu no mundo, ultrapassando J. K. Rowling. (2)

 

Como já referi, estamos perante o primeiro livro desta trilogia que depressa se tornou quase um bom vírus para quem tem a leitura como um dos passatempos preferidos ou não.

Muito resumidamente (ou não assim tão resumidamente quanto isso), a senhora James trouxe-nos duas personagens principais, a Anastacia Steele, uma jovem estudante a terminar o curso de literatura, bonita e humilde; e o Christian Grey, o também jovem (apesar de mais velho que Anastacia) mas dono de uma multimilionária empresa.

A amiga de Anastacia, a Katherine Agnes mais conhecida por Kate, aspirante a jornalista tinha uma entrevista marcada com o Grey, mas por motivos de saúde não conseguiu. Pediu então a melhor amiga para o fazer que aceitou e foi assim que se conheceram. A partir deste ponto é uma viagem incrível pelos desejos mais escondidos de cada um, vividos pelo homem mais experiente na matéria com uma das mulheres mais inexperientes possíveis. 

Vai ser sempre conhecido por ser um livro recheado de sexo, dominação e submização, disciplina e obdiência, sadomismo e masoquismo, descrições puras e nuas... Um livro sem qualquer pudor, e ainda bem.

 

Em várias críticas que podemos encontrar pela Internet em relação a este livro, em quase todos é intitulado como um romance erótico. Não concordo. No mínimo é um romance pornográfico.

Outra coisa que vemos muito é: "Conquistou o coração das mulheres", "As mulheres voltaram a ler por causa deste livro", "As mulheres...", "As mulheres..." Então e os homens?! Eu sou homem e gostei muito do livro. É como ver pornografia, mas com palavras e alguma estória, sem tirar nem por. Mas acreditem que estamos perante uma espécie de experiência que em mais nenhum livro podemos assistir.

Já adquiri o segundo livro da trilogia: As Cinquenta Sombras Mais Negras.

 

Prós:

  1. Novidade
  2. Ao ler o livro, o leitor poderá muitas vezes sentir reacções físicas e externas
  3. Leitura suave, regular e fluida
  4. Mesmo com toda a "acção", a estória está presente...
Contras:
  1. ...Apesar de um pouco fraquinha
  2. Certos acontecimentos são um pouco impressionantes e improváveis de se viver na realidade

(1) - Fonte

(2) - Fonte 

Sinopse )

 


01
Ago 12

 

Livro 4

 

Percy Jackson & The Battle of the Labyrinth é o quarto livro da saga Percy Jackson, Para quem não conhece aquela que é neste momento a série de fantasia mais premiada de todos os tempos, traduzidos para a nossa língua é já o quarto livro da série. Os primeiros três já se encontram comentados neste blog e estamos a falar de: Percy Jackson & Os Ladrões Do OlimpoPercy Jackson & O Mar de Monstros e o terceiro é o Percy Jackson & A Maldição do Titã. É só clicar nos links para esta página vos encaminhar para os respectivos livros.

O livro que vos trago hoje é o quarto, de cinco existentes, e foi escrito em meados de 2008. Cá em Portugal vimos a tradução em Maio deste ano (2012). Já vos apresentei Rick Riordan no meu comentário ao primeiro livro desta série. Digamos que este tem um gosto muito especial por mitologias, em particular e para esta série, a grega.

 

O nosso amigo Percy Jackson dispensa apresentações. Um semideus, filho do Deus do Mar Poseidon e da bela humana Sally Jackson. Normal que este Percy tenha mais água nas veias que sangue.

Neste livro Percy encontra-se no dia de apresentação numa nova escola. Escola essa em que o director é o novo namorado da sua mãe, Paul Blofis. Percy é também conhecido por não aguentar muito tempo na mesma escola sem ser expulso... Será que é desta que se aguenta?! Claro que não... Este é atacado por duas sensuais líderes de claque que se revelam ser um par de monstros que estão ao comando de Luke, um semideus que se revelou contra o Olimpo e que apoia agora as causas de Cronos, o Senhor de todos os Titãs, aquele que pretende derrubar os seus filhos. Mas para isso precisa mais uma vez de ajuda.

 

Desta vez o cenário mais presente neste livro será o local onde Cronos planeia fazer o ataque ao acampamento dos semideuses e será o Labirinto do  Dédalo. Famoso arquitecto da mitologia grega é também um semideus e construiu o Labirinto para o Rei Minus para aprisionar o Minotauro (monstro que foi gerado pela mulher do rei). Este labirinto levará os nossos heróis a cantos e recantos que interessados nesta mitologia irão gostar de ler e viver.

 

Para os que já conhecem a série, o formato mantém-se... Simples e claro, rico em informação e abordagem à estória real da mitologia grega, contado na primeira pessoa pelo filho de Poseidon e com objectivos claros e consensuais. Mais uma vez, imaginem que os deuses gregos realmente existissem nos dias de hoje e encontram aqui uma série de fantasia brutal! Posso dizer até que é a minha preferida. Ansioso pela tradução do quinto livro que já foi lançado nos EUA: Percy Jackson & The Last Olimpian.

 

Prós:

  1. Mantém-se toda a riqueza que a série nos habitou
  2. Inúmeras novas personagens tornam este livro um dos mais ambiciosos e com um excelente resultado
  3. Cronos continua a ser um antagonista que desperta respeito e medo
Contras:
  1. Podiam ser invocados mais semideuses antigos
  2. Não gostei de como melhor Percy usou os poderes neste livro

 

Sinopse )

 

Publicado Por ChadGrey às 23:24

24
Jul 12

 

LIVRO II DA TRILOGIA: OS JOGOS DA FOME


"Minhas senhoras e meus senhores, bem-vindos aos Septuagésimos Quintos Jogos da Fome"

 

É assim que começa o Capítulo III com a voz do apresentar destes jogos: Claudius Templesmith.

Sim, adivinharam, vão haver uns "segundos" (assistidos por nós). O que certamente não adivinharão é quem serão os seus intervenientes. Também não sou eu quem vos vai dizer.

 

Como costume, uma pequena situação cronológica do livro neste ainda mais pequeno livro, estamos a falar do, título original, Catching Fire escrito um ano após o seu antecessor, Os Jogos da Fome, ou seja em meados de 2009. Em Portugal saiu um anos depois e, até Abril deste ano 2012, já contava com 5 edições, muito por força da fama que o filme baseado no primeiro livro teve, deixando os curiosos ansiosos por mais aventuras da Katniss, do Peeta e do Gale.

 

Perfeitamente normal (ainda não vi o filme, mas acreditando que é minimamente fiel ao livro) este pequeno mas rico universo criado pela Suzanne Collins não só tem todos os ingredientes para criar algo grandioso, como estão magicamente envolvidos. Aproveito para informar que por muito que me esforce é-me difícil falar-vos deste segundo livro sem "involuntariamente" spoilar o primeiro. Estejam a vontade para fechar a janela, ou mandarem-me para certos e determinados sitios menos bonitos na zona de comentários. Adiante...

 

Continuamos a narrar a estória na pele da Katniss uma das vencedoras da última edição dos Jogos da Fome. Normalmente e todas as 74 edições destes jogos apenas houve um vencedor. A estratégia de KatnissPeeta fez com que os produtores dos jogos mudassem também as regras no último minutos, deixando estes dois habitantes do Distrito 12 vivos. Esta mudança não foi vista com bons olhos pelo Capitólio e o seu Presidente Snow leu todo este cenário como uma afronta e com medo que os Distritos entrem em motins criando uma nova revolução que ameace a autoridade do Capitólio, o Presidente vai ter que tomar medidas [extremas]. 

 

Não quero adiantar muito mais sobre a aventura que, principalmente as três personagens (Katniss, Peeta e Gale) irão viver nestas páginas, mas vou aproveitar as palavras que estão na capa do livro da escritora Stephenie Meyer (criadora da saga Crepúsculos, cujos livros e filmes nunca li ou assisti) e concordar a cem por cento que após as conhecermos no primeiro livro, neste cresceram em todas as suas características e habilidades. Acreditem. Todas as acções pensadas ou não vão mexer com muita gente, criando certamente emoções de empatia entre o leitor e estes jovens.

 

Livro muito bem dividido e a gestão da sua construção foi excelente. Houve momentos em que pensei: "será que irei ler uma cópia resumida do primeiro?" Mas não. Li um livro novo, uma nova aventura. Não irei ler imediatamente o terceiro, ainda estou a espero de poder ver o filme baseado no primeiro, mas estou muito curioso para saber como termina esta trilogia e a seu tempo terei todo o gosto em descobrir.

 

Prós:

  1. Continuação directa do primeiro
  2. As personagens estão mais vivas e empenhadas
  3. Mais rápido e rítmico que o primeiro

Contras:

  1. O final não foi tão "final" quanto o primeiro foi, desejando a leitura imediata do seguinte
  2. Alguns erros na construção discurso directo/discurso indirecto.

 

Sinopse )

 


16
Jul 12

 

"As pessoas desistem de muita coisa para ter o paraíso" - Sully

 

Quem não conhece o senhor Nathan Drake?

Ele é o protagonista daquela série de joguinhos, não sei se conhecem, Uncharted: Drake's Fortune, Uncharted 2: Among Thieves, Uncharted 3: Drake's Deception (este último ainda tem a análise no forno... Eu sei que já devia estar a arrefecer há muito tempo, eu sei...) e o Uncharted: Golden Abyss para a nova consola portátil da Sony.

 

Como já se aperceberam, as coisas não ficaram por aí... Este tal que tem a mania que é engraçadinho também protagoniza uma aventura corrida em páginas em Uncharted: The Fourth Labyrinth. Lançado nos finais do ano passado, a Saída de Emergência sabe o que os leitores portugueses gostam. E graças à série Assassins Creed ficou provado que romances/novelas baseadas em personagens criadas para os videojogos, desde que com estórias bem contadas, é possível que sejam um sucesso.

 

E é assim que se apresenta o "caçador de tesouros" Nathan Drake, ou apenas Drake. Numa tentativa vertiginosa de escapar de vários soldados mercenários onde involuntariamente e derivado da circunstancia salvou uma bela menina. Tudo isto num surpreendente inicio de aventura digno de um inicio de um videojogo. Depois de Drake finalmente se encontrar sã e salvo, voa de novo, desta vez ao encontro do seu mais velho e melhor amigo. O também conhecidíssimo Sully, que parece estar com alguns problemas.

 

Parece que um antigo conhecido do Sully, também "arqueólogo" apareceu morto vitima de um homicídio e tudo indica que foi muito por culpa de uma grande descoberta. E claro que não. Nem o Sully nem o Drake vão descansar enquanto não descobrirem o que será que este defunto descobriu. Para isso estes dois nossos conhecidos precisam de ser ajudados pela bela (como não podia deixar de ser) e jovem Jada a filha do arqueólogo. Esta pode ser a chave para várias pistas que estes terão que desvendar. Viajarão por três mitológicos/reais labirintos construídos em tempos comuns mas comunidades e culturas distintas, mas o verdadeiro tesouro está num possível quarto labirinto. Se estiver. Não é surpresa nenhuma, que estes três aventureiros não estarão sozinhos. A pessoa que foi responsável pelo primeiro assassinato não irá descansar tão facilmente.

 

Qual a razão que vos fará comprar este livro, perguntam vocês?

 

E eu respondo dirigindo a minha opinião a dois tipo de públicos distintos: os que jogaram as aventuras na Playstation; e os que não.

Os que jogaram, e tem um certo gosto pela leitura, verão aqui um livro muito interessante sobre uma personagem que não deixa ninguém indiferente pelo seu humor mórbido nas mais caricatas situações. Novas informações sobre o passado do Drake são desvendadas são oficiais e aprovadas pela Naughty Dog, empresa que criou o universo de Uncharted. Não consigo "obrigar" no sentido de que vão aprender muito sobre as personagens, mas posso recomendar, pois não é difícil estar a ler este livro e pensar que estamos a jogar uma aventura deste herói.

Para os que não jogaram e pouco conhecem sobre Uncharted, posso dizer que este livro esforçasse também para vos agradar. Não contará absolutamente nada sobre aventuras passadas, mas também não vão com a personagem tão entranhada quanto aqueles que já a conhecem. Caso gostem de uma aventura, recheada de humor e momentos perigosos... Porque não?

 

Prós:

  1. Uma oportunidade excelente para quem não gosta apenas de jogar, mas também de ler umas páginas de vez em quando
  2. Nathan Drake e Sully continuam aqueles que conhecem
  3. Aventura rica em localizações e culturas

Contras:

  1. Cadê Elena Fisher e Chloe Frazer?
  2. Ainda mais do passado de Drake e Sully seria excelente

 

 

Sinopse )

 


02
Jul 12

 

"Snake, you can say that because you're a legend. But I'm Jack the Ripper, a terrible reminder of a dirty mistake." (Raiden)

 

 

 

 

 

Metal Gear Solid 2: Sons Of Liberty. A Playstation2 saiu em meados do ano 2000 e os jogadores anseiam para conhecer o poder da nova consola e acima de tudo depois de jogarem o épico Metal Gear Solid. Hideo Kojima não demorou tempo a responder aos jogadores e um ano depois da consola sair podemos por as mãos finalmente no Solid Snake. Acontece que Kojima tinha uns truques na manga e disse aos jogadores que Snake podia ter um parceiro, parceiro esse que promete trazer muita polémica a todo o universo Metal Gear.

 

Quatro anos depois dos eventos de Shadow Moses, o legendário Solid Snake a trabalhar em conjunto com o Otacon, decidem eliminar qualquer vestígio dos Metal Gear. Otacon tem conhecimento que um Metal Gear se encontra num navio e a missão de Snake é fotografá-lo no navio. Missão essa que pode ter as suas surpresas (des)agradáveis.

Neste pequeno episódio protagonizado pelo Snake iremos descobrir o poderio da nova consola. Ninguém fica indiferente à qualidade gráfica, sonora, da jogabilidade mais solta e intuitiva que foi possível com esta evolução.

 

Graficamente poderão visualizar as formações corporais e faciais ao pormenor. Enquanto na Playstation One as personagens não passavam de vultos vestidas com uma imagem pixalizada, poderemos assistir a uma brutal evolução no sentido em que agora podemos ver ao pormenor a face da personagem, tal como a sua expressão, penteado (para não falar da bandana) e o fato também está completamente em três dimensões, onde claramente verificamos os compartimentos na suit onde se armazena todos os utensílios que podem ser encontrados durante esta aventura.

 


Banner
Mais Sobre Mim
Pesquisar