17
Mai 11
 

 

 

Quando a literatura e a morte se encontram

acreditaremos que o assassino seja um livro?

 

Zoran Zivković, engenhou a meu ver, o melhor universo alternativo, pelo qual me consigo identificar.

 

Tudo começa quando na livraria Papyrusum dos clientes (ou pacientes) morre, sem qualquer explicação aparente e o resultado após autópsia ao corpo revelou que a morte foi por motivos desconhecidos. Posto isto, entra em cena o inspector Dejan Lukic, responsável pela investigação desta inexplicável morte.

 

Este é o livro que mistura dois mundos distintos:

  • O do espaço que aparenta ser uma espécie de anos 50/60 onde temos uma tradicional livraria, onde os sítios mais frequentados são, por exemplo, uma casa de chá, para beber várias misturas de chá, entre outros; a morgue onde se fazem autópsias e o conhecido mas sempre benvindo médico legista e céptico a outras questões para além daquelas que a ciência consegue explicar e
  • O mundo dos nossos dias, onde volta e meia toca o telémovel com conversas directas e claras para o desenrolar da acção seguinte.

Bastante singular no modo de escrever, livro bastante acessível e carregado de uma mestria que poucos estarão habituados a ler.

 

Podem contar, ao ler este livro, também, com um final que vai dar que pensar e perguntar: a que mundo pertencemos nós?


2 comentários:
Parece interessante e diferente... hei-de ler
Amy Rose a 4 de Junho de 2011 às 12:51

Este livro é praticamente obrigatório.

E tem um final nunca antes visto e sentido.
ChadGrey a 6 de Junho de 2011 às 14:43

Banner
Mais Sobre Mim
Pesquisar