25
Jan 12

 

"O dia de Harry Potter... Vão escrever-se livros, todas as crianças do mundo conhecerão o seu nome" - Professora McGonagall

 

Uma citação, bastante ambiciosa diga-se de passagem, posta na boca da Professora de Hogwarts mas escrita por uma das escritoras mais bem pagas do mundo da actualidade: J. K. Rowling (Houve um ano que foi considerada a mais bem paga do mundo, mas o estaudinense[1] Stephen King voltou rapidamente a ser o mais bem pago); mas uma citação que pareceu adivinhar realmente o futuro. Ficou provado no primeiro capítulo do livro que J. K. Rowling, para além de cativar, era uma visionária.

 

Ainda me lembro, numa aula de Língua Portuguesa no meu sexto(ou sétimo?!?) ano de escolaridade, quando a professora diz na aula que está uma "nova" escritora a fazer muito sucesso com uma série para a rapaziada da nossa idade (11/12 anos) para cima[2]. Ela mostrou na altura o primeiro livro da série, com uma capa desenhada e colorida, muito atraente para os miúdos chatearem os pais para comprarem. Foi isso também que fiz, apesar de na altura ler não ser de perto um gosto, mas queria porque ouvia toda a gente a dizer que ler só faz bem. Comprei logo os dois únicos livros que haviam: Harry Potter e a Pedra Filosofal e o Harry Potter e a Câmara dos Segredos. Os únicos que haviam ainda sido traduzidos. Li-os e lembro-me de ter adorado. Nunca tinha pensado nem feito a menor ideia de que um dia mais tarde iria ser lançado um filme que seria um sucesso de bilheteira. Depois de ver o primeiro filme comprei o Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban. Foi por esta altura que desisti dos livros da série e, mais tarde, dos filmes também. Lembro-me de não ter gostado de maneira nenhuma do livro e, muito mais tarde, do filme também. Até aos dias de hoje, ainda só li os primeiros 3 livros e vi os primeiros 3 filmes.

 

Pois foi num passeio numa superfície comercial que vi as novas edições dos livros de Harry Potter, uma colecção que junta fica simpática e dou uma vista de olhos pelos filmes Blu-Ray da série. Está bem..., comprei a nova edição (as edições velhas, estão "emprestadadas") do livro, e o filme em Blu-Ray e pretendo fazer a colecção toda de Harry Potter assim, com os livros todos e os filmes todos na sua melhor qualidade. Espero não "berrar" no terceiro, como foi a minha opinião no passado. Voltei a ler este primeiro livro, mais tarde verei o filme; e depois compro o segundo livro e filme para os ler e ver e assim sucessivamente; leve o tempo que levar. Claro que não vou ler a saga toda seguidamente, para não "enjoar", por isso vou fazer este plano intercaladamente.

 

Feita esta "explicação", que mais vos posso dizer em relação ao primeiro livro da saga: Harry Potter e a Pedra Filosofal? Realmente, depois de reler, compreendo perfeitamente o sucesso da série. Um livro que em "poucas", ou melhor: Suficientes, páginas tem de tudo: Dois universos bastante distintos; um desporto totalmente novo, ficticio, e bastante competitivo como é o futebol no nosso continente; personagens bastante humanas e diferentes entre si apesar das habilidades que têm como feiticeiros; Uma aventura proibida e estamos a falar de crianças que são crianças mas que têm tempo para crescer.

 

Harry Potter é uma criança, órfã, que vive com os seus tios. Estes discriminam o Harry bastante, tratando-o como se fosse diferente tendo como grande contraste filho legitimo que era muito bem tratado e mimado. Harry no seio da sua família sentia-se diferente e sozinho, mas nunca pensaria que um dia iria receber um convite para ir estudar para Hogwarts, a escola de feiticeiros mais famosa do mundo. E muito menos pensou Harry que iria ser o centro de todas as atenções e bastante famoso, muito por força da terrível morte dos seus pais, numa luta contra o Voldemort (Aquele-cujo-nome-não-pode-ser-pronunciado) onde ainda bebé mas único sobrevivente, tendo sofrido apenas uma cicatriz na sua forma de um trovão.

 

Nesta escola Harry conhecerá todo o tipo de pessoas, como aqueles que serão os seus melhores amigos (Ron, Hermione, Hagrid e Neville), o seu arqui-inimigo (Malfoy), como os professores e o director da escola que acompanharão com toda a importância merecida e equilibrada presença na aventura. Apesar dos capítulos grandes, o livro não deixará ninguém se fartar seja de quem for. 

 

Livro viciante, cativante, estranho no melhor dos sentidos e um livro que consegue dar vida a feiticeiros de uma forma fresca e saudável, não manchando a imagem clássica do que é um feiticeiro. Interessante e rico, promete animar e entreter todas as idades e não só as camadas mais jovens.

 

Prós:

  1. Viciante e fresco 
  2. Livro para todas as idades
  3. Personagens com personalidade e carisma
  4. Ambiente vivido e envolvido
  5. Quidditch

Contras:

  1. Método para protagonizar o ambiente ficticio, rebaixando um pouco o universo "real"
  2. Final um pouco acelarado 

 

[1] Apesar de não encontrar esta palavra no meu dicionário de Língua Portuguesa, já actualizado com o novo acordo ortográfico, segundo O Livro da Ignorância Geral, escrito e compilado por John Lloyd e John Mitchinson, "estaudinense" é o termo correcto para definir os habitantes nascidos nos Estados Unidos da América. A expressão "norte-americano" associado apenas aos habitantes nascidos nos Estados Unidos da América é errónea porque Canadá e México também pertencem ao Norte da América.

[2] É possivel que, neste contexto histórico, eu me tenha enganado em alguma data.

  

Sinopse:

 

Harry Potter é antes de mais o fenómeno editorial de 1999. É-o porque demove crianças de jogos de computador e de infindáveis horas frente ao televisor. É-o porque está traduzido em cerca de 30 idiomas. É-o porque tem angariado os mais importantes prémios de literatura infanto-juvenil. É-o, por fim e entre outras inúmeras razões, porque ocupa há meses consecutivos os primeiros lugares das mais importantes listas de vendas mundiais. Mas Harry Potter, o personagem dos livros de J. K. Rowling, não é um herói habitual. É apenas um miúdo magricela, míope e desajeitado com uma estranha cicatriz na testa. Estranha, de facto, porque afinal encerra misteriosos poderes que o distinguem do cinzento mundo dos muggles (os complicados humanos) e que irá fazer dele uma criança especialmente dotada para o universo da magia. Admitido na escola Howgarts onde se formam os mais famosos feiticeiros do mundo, Harry Potter irá viver todas as aventuras que a sua imaginação lhe irá propocionar. Um grande sucesso editorial que os mais jovens adoram e que apetece também aos adultos.

Publicado Por ChadGrey às 23:23

CorretorEmoji

Notificações de respostas serão enviadas por e-mail.


Banner
Mais Sobre Mim

Ver

Seguir

2 seguidores

Pesquisar