03
Dez 11

 

A Morte em Alto Mar

 

Após a Nintendo conseguir ter os direitos sob a série principal de Resident Evil, os fãs da série e possuidores apenas da consola Playstation 2 desmoralizaram em relação ao poder dar acompanhar a continuidade da série. Capcom disse a esse publico: Tenham calma, vai sair um Resident Evil exclusivo Playstation 2 e este chama-se: Resident Evil Dead Aim, o quarto jogo do seguimento Gun Survivor.

Foi, como de esperar uma notícia muito bem recebida. Em Resident Evil Dead Aim podemos contar com uma

 

Estória

 

baseada, como não poderia deixar de ser, no Vírus T. Passa-se imediatamente após a destruição de Raccoon City. Neste jogo podemos contar com duas personagens principais: Um membro da Strategic Command Force, Bruce McGivern e a japonesa fria e calculista Fong Ling. No início desta aventura vemos Bruce a ser atacado pelo Morpheus. Morpheus é uma pessoa bastante peculiar, onde a sua beleza é tudo para este ser humano, onde se sujeitou a várias operações plásticas. Este era antigo funcionário da Umbrella Corporation e ficou fascinado com o poder o Vírus pela empresa desenvolvido e roubou-o. Bruce foi salvo pela "nada fácil" Fong Ling, lançando uma granada para onde se estaria a desenrolar a luta. Inexplicavelmente Bruce ficou sem um único arranhão e Morpheus conseguiu escapar mas ficou gravemente ferido. Morpheu decidiu utilizar como último recurso o T-Virus em si mesmo. A reacção que se sucedeu foi de uma criatura indestrutível. Controlamos em partes da aventura tanto Bruce como Fong Ling com uma

 

 

Jogabilidade

 

completamente nova numa série Resident Evil. A câmara já não é presa e nos dá a visão por trás da personagem, muito ao género Third Person Shooter. Mas não é por isto que posso considerar um TPS, pois nas alturas para dispararmos com as nossas armas, a visão muda para a primeira pessoa, tal como em Resident Evil Gun Survivor. O objectivo é claro: apontar e disparar para os pontos fracos das criaturas. É nesta matéria que o jogo apresenta as maiores falhas, pois apesar da visão ser atrás da personagem, o sistema de controlo é o mesmo que os anteriores, ou seja, se inclinarmos o analógico esquerdo para a direita, a personagem gira sobre si, em vez da nossa personagem se mover para a direita, o que seria o ideal. Os recursos espalhados pelo cenário continuam a ser uns bens escassos. Ervas curativas, sprays curativos, munições continuam a ser relíquias em certos pontos dos cenários, excepto talvez nos locais para os guardarmos o nosso progresso onde temos um armário onde nos podemos abastecer de munições até não termos mais espaço no inventório e também já não precisamos das tintas da máquina de escrever para gravarmos o nosso progresso. Este Resident Evil tem um

 

Ambiente

 

completamente 3D, mas algo datado. Os desenhos das personagens, dos cenários e criaturas já tiveram melhores em momentos anteriores. Fora esse aspecto, o jogo continua escuro, assustador e cheio de gore, onde passamos muitas vezes por corpos que há primeira vista estão a cem por cento mortos, mas a certos momentos atacam-nos. Capcom teve também a preocupação de nos livrar dos constantes e terríveis ecrãs "loading", que era o que mais desmoralizada os jogadores nos jogos passados da série.

 

Veredicto

 

Apesar das muitas promessas, Resident Evil Dead Aim não é um jogo que se queira jogar durante muito tempo. Depois de começar, iremos querer conhecer a estória de Morpheus, mas não vai surpreender como fomos habituados, apesar de preencher alguns pontos das aventuras anteriores. Também não é tão desafiante como já fora. Não sentimos em momento algum necessidade de ler e muito menos reler os documentos que encontramos a fim de encontrar alguma pista, pois não será necessário. É claramente um jogo mais focado para a acção.

 

Prós:

  1. Criaturas; 
  2. Estória; 
  3. Novidades em relação à jogabilidade... 

Contras:

  1. ...Novidades essas que podem não ser bem recebidas 
  2. Gráficos datados
Publicado Por ChadGrey às 13:13

Banner
Mais Sobre Mim
Pesquisar