04
Ago 11

 

Depois de Angel Of Darkness, 

Pode Lara voltar a ver a luz?

 

Tomb Raider: Legend é o segundo jogo da era 128bits, o sétimo da saga de videojogos Tomb Raider. Este marca também a chegada à consola da Microsoft, Xbox. Mas depois do "não tão bom" sucesso que foi Angel Of Darkness será que a Eidos "teve mão" na série e conseguiu levá-la a bom rumo? É esse o desejo dos fãs da Lara Croft, é esse o desejo de todos os jogadores e apreciadores de boas aventuras.

 

Estória

 

a infância de Lara. Esta numa viagem de avião com sua mãe, onde o avião despenha-se nas montanhas do Himalaia. Lá, a mãe de Lara encontra um Portal que a mata. Anos mais tarde, a nossa aventureira preferida, Lara Croft enquanto explora as lindas paisagens de Bolívia, encontra um portal idêntico ao que supostamente matou sua mãe. E ao que tudo indica, algo tem a ver com a famosa espada Excalibur. A partir deste ponto, Lara só tem um objectivo em mente, que é perceber o que se passou com a sua mãe e tentar resolver. Como não podia deixar de ser, à interesses de outras pessoas. Outrora melhor amiga, Amanda também tem alguns interesses com o mistério em roda da Excalibur, que provavelmente não serão os mesmos de Lara. Neste jogo, Lara teve os seus movimentos também renovados.

 

Jogabilidade

 

Os movimentos presos e artificiais vistos em Angels Of Darkness não foram de modo nenhum aproveitados para este jogo. Lara está solta, livre e dá para sentir a suavidade e sensualidade na beleza de cada movimento feito por Lara. Tudo resulta, não há teletransportes nos cantos, não há mais saltos mal calculados, a não ser por erro do jogador, enquanto estamos agarrador nas plataformas, é possível fazer saltos laterais entre outros novos movimentos.

As armas funcionam bem e melhor. Aliás, uma das grandes mudanças que depressa reparamos neste Legend é que as situações de tiroteio são mais constantes. O que poderiam resultar bem, não fosse o facto de, no caso das consolas, ser de pontaria automática. Também é possível fazer pontaria de precisão, mas não resultará quando somos defrontados com dezenas de guardas por vários lados e com sede de matar uma Condessa de Abbingdon, título que adquiriu após a morte de seu pai, Richard Croft. Contudo, estes "tiroteios" que nos fazem lembrar mais filmes de acção que propriamente um jogo de aventura e exploração, pode não agradar a todos, mas dá para quebrar o ritmo.

Seremos também brindados com alguns Quick Time Events, onde teremos que escolher a opção que surgir no ecrã, onde a falha será punível com a morte da personagem. Estes QTEs poderiam ser um pouco mais elaborados, mas também não fazem má figura.

Outra novidade são os ataques, apesar de limitados, corpo a corpo e o ataque acrobático aéreo, onde nos aproximamos do inimigo e Lara salta no ar em câmara lenta ao mesmo tempo que larga disparos certeiros.

 

Ambiente

 

Tal como a Eidos nos habituou. Paisagens bonitas, várias localizações distintas. Nesse aspecto, diria que a fórmula é perfeita. Faltam agora os puzzles e os quebra cabeças. Eu diria que seria bastante difícil perdermo-nos neste jogo, ao contrário do que tem acontecido. Para muitos, a definição de Tomb Raider é estar numa sala ou num tumulo relativamente pequeno, mas mesmo assim andar às voltas sem saber muito bem por onde ir, ou carregar, ou à procura de alguma saliência nas paredes onde possamos saltar e agarrar. Neste isso não vos vai acontecer. E se acontecer, têm a ajuda dos binóculos, onde podem ajustar o visor que vos indica se há objectos que sejam movíveis pelo gancho magnético, pela própria aventureira, ou se são frágeis e facilmente ultrapassados por uma explosão ou impacto. Excepto na primeira fase, esta opção não é obrigatória. Se procurarem desafio, não a usem e usem as vossas cabeças para uma melhor satisfação e desafio.

Temos também fases onde conduzimos uma mota Ducatti. Poderiam ser mais vivas do que realmente parecem ser. Se não matarmos os inimigos que insistem em ser impertinentes rapidamente, damos por nós a fazer loop na pista, passando sempre pelos mesmos locais, vezes sem conta; mas houveram esforços para parecer que seria mesmo o cenário que seria longínquo.

 

Verídico

 

 

 

Um excelente regresso da nossa velha Lara, conforme a conhecemos. Com algumas adaptações à geração que tão mal a acolheu no último jogo, veio provar que ainda tem muito para dar, e que dará muito mais ainda, esperemos. O modo Time Trail e Croft Manor serão responsáveis por aumentar a longevidade, desbloqueando um enorme leque de de skinsentre muitos outros.

 

Prós

  1. Lara, seja muito Benvinda e continua muito sensual
  2. Cenários bem definidos e originais
  3. Personagens secundárias
  4. Estória tensa e intensa

Contras

  1. As partes de tiroteios podem não agradar a todos
  2. Muitos jogos no modo Easy são mais difíceis que este no modo Tomb Raider (Hard)
Publicado Por ChadGrey às 01:36

2 comentários:
Diz lá a verdade de porque todos os gajos gostarem deste jogo...
Vá a única razão ;)
Amy Rose a 25 de Setembro de 2011 às 22:57

Porque é um jogo divertido e a personagem tem atributos estóricos interessantes ;)
ChadGrey a 14 de Outubro de 2011 às 12:16

Banner
Mais Sobre Mim
Pesquisar